Arquivo

ACIFF e MGM-Club com cartão de fidelização

2017-07-10

Os cartões de fidelização podem facultar aos comerciantes e prestadores de serviços informação direta e fidedigna que mais nenhuma outra ferramenta poderá dar.

Se hoje uma das variáveis fundamentais do negócio é o conhecimento do consumidor, o cartão capta toda essa informação, lembrando que uma das grandes tendências do retalho é o “customer centricity”, ou seja, colocar o cliente no centro de tudo.

A ideia dos cartões de fidelização vai de encontro a uma regra básica nos negócios, isto é, manter um cliente é mais fácil do que atrair novos consumidores. Portanto, para não perder clientes, cada vez mais as empresas investem em programas de fidelização.

Nesta Linha, e seguindo as tendências neste capitulo dos programas de fidelidade praticados essencialmente pelas Grandes Superfícies e Gasolineiras nacionais, assente no conceito “DESCONTO EM CARTÃO” a MGM Club oferece uma plataforma “Cartão de Cliente” que a ACIFF considerou ser uma mais valia para os seus associados.

Assim foi estabelecida uma parceria com a MGM – Club detentora desta plataforma e de uma app que permite ao consumidor final acumular saldo nos estabelecimentos aderentes e será neles que o mesmo é descontado.

Ao descarregar a aplicação em www.mgm-club.com fica a conhecer todos as lojas aderentes e as suas vantagens.

Até ao momento os associados aderentes a esta plataforma são:

• Centro Dietético Salutaris

• Centro Multiterapêutico Raio Azul

• Champagne Bar

• Doces de Portugal

• Farmácia Central

• Farmácia Faria

• Farmácia Soares

• Foztropic - loja animais

• Goldenart – Consultoria de Imagem e design de Moda

• Ideias à Medida - atelier de costura e retrosaria

• Katharina Philip – cabeleireiro

• Lota Nova – Carluz Bar

• Marujo Sandwich Bar

• Passerelle – pronto a vestir

• Pentyarte Cabeleireiro

• Restaurante A Cantarinha

• Roupa Nova - pronto a vestir

• Salão Chapéu

• Santiago Bikes

• Volta & Meia – restaurante

• We Phone - Telecomunicações

Mais informações através do email aciff@aciff.pt ou telefone: 233401320.

Noticias Relacionadas

Livro de Reclamações - alterações

2017-07-10

Foi publicado, a 21 de Junho, o Decreto-Lei nº 74/2017 , que altera o Decreto-Lei nº 156/2005 de 15 de Setembro (com as alterações introduzidas posteriormente), e que consagra o regime jurídico do Livro de Reclamações.

As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 74/2017 concretizam uma das medidas do simplex 2016, que é a criação do formato electrónico do livro de reclamações, e de um modo geral, a desmaterialização do processo de reclamação.

Ainda de acordo com o preâmbulo do diploma, as alterações ora introduzidas traduzem-se na disponibilização de uma plataforma digital que permita aos consumidores apresentar reclamações e submeter pedidos de informação de forma desmaterializada, bem como consultar informação estruturada, promovendo-se o tratamento mais célere e eficaz das solicitações e uma maior satisfação daqueles.

É assim instituída a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações, nos formatos físico e eletrónico (nº2 do artigo 1º).

No entanto, a implementação do formato electrónico do Livro de Reclamações será faseada, aplicando-se, desde 1 de Julho somente aos prestadores de serviços públicos essenciais- gás natural, electricidade, comunicações electrónicas, serviços postais, água, recolha e tratamento de águas residuais, gestão de resíduos sólidos urbanos.

Numa segunda fase, ou seja, a partir de 01 de Julho de 2018, as disposições relativas ao formato electrónico do livro de reclamações são aplicáveis aos demais prestadores de serviços “após apresentação, pela Direção - Geral do Consumidor, de relatório de avaliação de impacto sobre os resultados de implementação aos prestadores de serviços públicos essenciais”, (nº3 do artigo 9º do decreto-lei nº 74/2017).

Destacam-se algumas das alterações agora introduzidas e que não se cingem à desmaterialização do livro de reclamações:

• O fornecedor de bens ou prestador de serviços é obrigado a possuir o formato eletrónico do livro de reclamações*

• O fornecedor de bens ou prestador de serviços pode enviar por via eletrónica a folha de reclamação e demais elementos à entidade reguladora do setor ou entidade de controlo de mercado competente, devendo manter, por um período de três anos, um arquivo devidamente organizado dos documentos originais e dos comprovativos da respetiva remessa no formato eletrónico, salvo se prazo superior for fixado em legislação especial.(artigo 5 – A).

• Por sua vez o novo artigo 5º B estabelece um conjunto de obrigações do fornecedor de bens e do prestador de serviços relativas ao formato eletrónico do livro de reclamações, designadamente a obrigação do fornecedor de bens ou prestador de serviços de divulgar nos respetivos sítios na Internet, em local visível e de forma destacada, o acesso à Plataforma Digital. Os fornecedores de bens e prestadores de serviços que não disponham de sítios na Internet devem ser titulares de endereço de correio eletrónico para efeitos de receção das reclamações submetidas através da Plataforma Digital.

Estabelece ainda este artigo, que fornecedor de bens ou prestador de serviços deve responder ao consumidor ou utente no prazo máximo de 15 dias úteis a contar da data da reclamação, salvo se for estabelecido prazo inferior em lei especial, para o endereço de correio eletrónico indicado no formulário,informando-o, quando aplicável, sobre as medidas adotadas na sequência da mesma.

• O consumidor ou utente pode formular a reclamação em formato eletrónico através da Plataforma Digital.

• A perda ou extravio do livro de reclamações obriga o fornecedor de bens ou o prestador de serviços a comunicar por escrito esse facto à entidade reguladora do setor ou à entidade de controlo de mercado competente, no prazo máximo de cinco dias úteis (nº2 do artigo 8º).

• A mudança de morada do estabelecimento, a alteração da atividade ou do respetivo CAE, ou a alteração da designação do estabelecimento não obriga à aquisição de um novo livro de reclamações mas o fornecedor de bens ou prestador de serviços deve comunicar eletronicamente, à Imprensa Nacional - Casa da Moeda, S.A., a alteração efetuada, para efeitos de averbamento no livro de reclamações (nºs 4 e 5 do artigo 8º) (a partir de Outubro de 2017).

O diploma em análise procede ainda à identificação dos fornecedores de bens e prestadores de serviços, de forma sistematizada, até agora elencados em anexos diferentes, que se encontram abrangidos pela obrigatoriedade de disponibilização do livro de reclamações.

O diploma é ajustado de forma a assegurar aos consumidores e utentes vulneráveis o pleno exercício do direito de queixa, impondo-se ao fornecedor de bens ou prestador do serviço o dever de auxílio no preenchimento da reclamação;

Deixa de haver um modelo específico para afixar a informação sobre a existência do livro de reclamações, mas continua a ser obrigatório ter visível essa informação.

Informação com base na circular 66/17 emitida pela CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal.

ACIFF entrega prémios às vencedoras do Sorteio de Natal

2017-02-21

Neste Natal as compras foram no Comércio Tradicional

A ACIFF entregou esta segunda-feira, dia 23 janeiro os prémios aos vencedores do Sorteio de Natal que a associação levou a cabo como dinamização para a época de natal.

Comércio Figueira Natal 2016 foi o nome dado à iniciativa que contou com a participação de 83 lojas do Comércio Tradicional localizadas essencialmente entre o bairro novo e a zona considerada baixa.

Ao todo foram contabilizadas 15.000 senhas para o escrutínio que colocadas na tombola ditaram como vencedoras Adriana Pereira, Maria Alice Simões e Emília Ramos.
As compras feitas na Colorvita, Sapatarias Quaresma e na Lavifoz deram a oportunidade de ganhar 1750€, tendo sido este o valor que a ACIFF entregou em vales que serão agora convertidos em compras até 30 de junho, nas mesmas lojas que aderiram à iniciativa a que nos propusemos.

A Direção da ACIFF representada pelo Presidente Carlos Moita e pelo Vice-Presidente Nuno Lopes fizeram questão de agradecer a participação dos presentes mas também de todas as lojas que acreditam no desafio que a ACIFF lhes propôs.

O prémio total foi apetecível mas contemplou somente três pessoas por isso, para a 2.ª edição pretende-se ajustar a questão dos prémios de forma a contemplarmos mais pessoas e assim chegar a mais lojas, bem como outras sugestões que foram sendo dadas por comerciantes ao longo do processo em que decorreu esta iniciativa.
Os presentes na entrega de prémio tiveram ainda a oportunidade de perceber que em termos económicos este evento gerou uma faturação superior a 225.000€ em compras nos estabelecimentos aderentes no período em que decorreu o sorteio (28 de novembro a 24 de dezembro), tendo em conta a regra de 15€ por compra, face às senhas vendidas.

A Dinamização do Natal por parte da ACIFF teve um investimento a rondar os 8.500€ dos quais 5.000€ foram na promoção e legalização do sorteio em causa.

O Sorteio de Natal foi criado como forma de dinamizar a época por excelência de maior consumo do comércio que vive dias difíceis por isso o esforço tem de ter retorno, sendo fundamental que os comerciantes aderiram a estas e outras iniciativas que a ACIFF possa levar a cabo.

Da parte da ACIFF a Direção reforça a disponibilidade para aceitar ideias válidas que se possam reflectir na dinamização do setor atraindo assim mais pessoas e dando-lhes a qualidade de um atendimento personalizado que só o comércio tradicional tem.

Neste Natal as compras foram no Comércio Tradicional

2017-01-25

A ACIFF entregou esta segunda-feira, dia 23 janeiro, os prémios aos vencedores do Sorteio de Natal que a associação levou a cabo como dinamização para a época de natal.

Comércio Figueira Natal 2016 foi o nome dado à iniciativa que contou com a participação de 83 lojas do Comercio Tradicional localizadas essencialmente entre o bairro novo e a zona considerada baixa.

Ao todo foram contabilizadas 15.000 senhas para o escrutínio que colocadas na tombola ditaram como vencedoras Adriana Pereira, Maria Alice Simões e Emília Ramos.

As compras feitas na Colorvita, Sapatarias Quaresma e na Lavifoz deram a oportunidade de ganhar 1750€, tendo sido este o valor que a ACIFF entregou em vales que serão agora convertidos em compras até 30 de junho, nas mesmas lojas que aderiram à iniciativa a que nos propusemos.

A Direção da ACIFF representada pelo Presidente Carlos Moita e pelo Vice-Presidente Nuno Lopes fizeram questão de agradecer a participação dos presentes mas também de todas as lojas que acreditam no desafio que a ACIFF lhes propôs.

O prémio total foi apetecível mas contemplou somente três pessoas poi isso, para a 2-ª edição pretende-se ajustar a questão dos prémios de forma a contemplarmos mais pessoas e assim chegar a mais lojas, bem como outras sugestões que foram sendo dadas por comerciantes ao longo do processo em que decorreu esta iniciativa.
Os presentes na entrega de prémio tiveram ainda a oportunidade de perceber que em termos económicos este evento gerou uma facturação superior a 225.000€ em compras nos estabelecimentos aderentes no período em que decorreu o sorteio (28 de novembro a 24 de dezembro), tendo em conta a regra de 15€ por compra, face às senhas vendidas.

A Dinamização do Natal por parte da ACIFF teve um investimento a rondar os 8.500€ dos quais 5.000€ foram na promoção e legalização do sorteio em causa.

O Sorteio de Natal foi criado como forma de dinamizar a época por excelência de maior consumo do comércio que vive dias difíceis por isso o esforço tem de ter retorno, sendo fundamental que os comerciantes aderiram a estas e outras iniciativas que a ACIFF possa levar a cabo.

Da parte da ACIFF a direção reforça a disponibilidade para aceitar ideias válidas que se possam reflectir na dinamização do setor atraindo assim mais pessoas e dando-lhes a qualidade de um atendimento personalizado que só o comércio tradicional tem.

Sorteio Natal 2016 já tem vencedores

2017-01-10

Decorreu no passado dia 6 de janeiro, pelas 18h nas instalações da ACIFF a eleição dos vencedores do sorteio de natal que a associação promoveu junto do Comércio de Rua para a época do natal.

Este momento contou com a presença do Presidente da Direção Carlos Moita, Vice-Presidente Nuno Lopes e o Vogal do Setor do Comércio Hugo Quaresma.

Estiveram também presentes dois agentes da Policia de Segurança Publica, da Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial, da Divisão de Coimbra que fiscalizaram o sorteio.

Os vencedores apurados foram:

1.º prémio - Adriana Pereira - senha 7155 - Colorvita - Passeio Infante D. Henrique 24

2.º prémio - Maria Alice Ascenço Simões - senha 7768 - Sapatarias Quaresma - Cais da Alfandega 22

3.º prémio - Emília Ramos - senha 2919 - Lavifoz Lavandaria - Rua Cândido dos Reis, 15

Caso os prémios não sejam reclamados pelos vencedores e dando cumprimento ao regulamento, foram ainda apurados 3 suplentes:

Suplente 1.º prémio - Anabela Pinto – senha n.º 2546 – loja Lovers – Rua da Liberdade 70

Suplente 2.º prémio - Zoya Kyshmr – senha n.º 7787 – loja sapatarias Quaresma - Cais de Alfandega 22,

Suplente 3.º prémio - Liana Ramos - senha n.º 1677 – Casa Garcia – Rua da Republica, 282

Os prémios serão entregues em data anunciar pela Associação.

A ACIFF agradece a participação das empresas aderentes e de todos os que colaboraram na dinamização desta iniciativa.